Telefone
+55 (84) 99607-8878

Endereço

Condomínio Empresarial Trade Center
Avenida Romualdo Galvão, 1703
Sala 208
Lagoa Nova, Natal - RN

  • Syrhus Pierre

Por que a sua empresa deveria se tornar data-driven hoje?

Segundo uma pesquisa feita pela S&P Capital IQ, em um período não muito distante, por volta de 2006, apenas uma das cinco maiores empresas do planeta não vinham de setores tradicionais e era data-driven. Em 2017 todas as cinco maiores empresas do planeta são completamente orientada por dados e inclusive, é por causa deles que essas empresas valem tanto hoje.

O que é um dado?


Mas, antes de saber como usufruirmos dos dados, necessitamos entender o que eles são em sua essência. Um dado, nada mais é do que: uma informação que, tendo ela um sentido aparente ou não, é sempre o resultado de uma ação podendo ser executada por um ser humano ou por um robô, dependendo apenas de onde o dado está sendo armazenado e gerado.

Um exemplo simples para visualizarmos esse conceito é pensarmos que ainda existem alguns mercadinhos onde o balconista escreve em um papel as informações do produto que você está comprando e o valor dele para que ao fim do dia seja feito o controle do estoque. Já algumas médias e grandes redes de supermercados, costumam controlar o seu estoque de forma virtual e cada produto que é passado no caixa existe o abatimento direto no indicador de estoque. Nessas duas situações, vemos que o dado é o mesmo: o produto vendido e o valor dele. No entanto, foram computados de maneiras diferentes o que faz com que eles possam gerar interpretações diversas quando analisados.


O que é data-driven?



Empresas são consideradas data-driven quando possuem em toda a sua estrutura operacional, tática e estratégica os dados como principal orientador de decisões. Fazer isso não é por acaso, os dados auxiliam os gestores ou quaisquer um que se utilize deles a:

1. tomarem decisões mais rápidas e com isso poupar tempo e dinheiro;

2. ter previsões do futuro mais assertivas e sem achismos;

3. ter maior controle dos processos executados;

4. ter mais segurança com respeito à veracidade das informações geradas;

E os negócios tradicionais? Com entram nessa onda?


Se você é gestor de um negócio em um ramo mais tradicional pode estar pensando nesse momento que talvez essa história de “data-driven” não faça tanto sentido. Mas é aí que você se engana! É de certa forma incomum nos dias de hoje encontrarmos escritórios de advocacia, de contabilidade, hospitais, supermercados e comércios que não utilizam qualquer sistema para realizar suas operações.


A questão é que, devido à era informacional em que estamos vivendo, existe uma gama gigantesca de sistemas ERPs, sistemas web, aplicativos e planilhas em que trabalhamos e consequentemente depositamos nossas informações diariamente. Paralelamente, pouquíssimas empresas conseguem integrar todos esses sistemas a fim de fornecer dados e transformá-los em informação relevante que auxiliem nas tomadas de decisões. A maior parte delas está num oceano de informações acreditando que elas não possuem valor.


Um estudo entre o Google e o Boston Consulting Group analisou oito empresas de países europeus diferentes e constatou que empresas que estão mais maduras quanto a sua transição para a cultura data-driven tiveram 20% a mais de receita e 30% no aumento de sua eficiência operacional.

Tudo bem, mas como começo a implantar a cultura data-driven no meu negócio?

Em Vendas e Marketing Essas são áreas dentro de qualquer empresa mais comum e fácil de se metrificar e utilizar dos dados para direcionar uma qualquer estratégia. Quem diria a 20 anos atrás que conseguiríamos hoje segmentar um anúncio por localização, sexo, idade e até interesses de quem está vendo? Parece impossível! Tudo isso se tornou acessível com o Facebook Ads, a mais poderosa ferramenta de anúncios do momento. Além disso, o Google Analytics fornece informações relevantes sobre os usuários que acessam o seu site, da onde eles vem e quando aconteceu o acesso por exemplo.


Em vendas, ter um bom CRM para gerenciar, metrificar e fornecer dashboards de todo o seu processo comercial é um grande passo para tomar decisões orientadas por dados. Tudo isso pode gerar um diferencial competitivo importante e te auxiliar num direcionamento de recursos sejam eles financeiros ou humanos mais assertivo e rápido.

Nas Operações

Eis aqui uma área que é específica e diferente para cada empresa, os sistemas que uma loja de artigos esportivos utiliza pode ser totalmente diferente dos que utiliza um escritório de contabilidade, não é verdade? Então, o que você deve se ater aqui é na reflexão sobre quais métricas e indicadores o software escolhido te fornece.

A grande maioria dos sistemas que as empresas costumam utilizar, seja o Trello, ZeroPaper, ContaAzul ou algum ERP específico fornecem análises gráficas básicas e genéricas dos dados que são gerados dentro da plataforma. No entanto, isso não é um problema quando se tem conhecimento sobre como tratar esses dados e analisa-los de acordo com um viés específico da sua empresa. É isso que fazemos na beAnalytic. O Power BI, da Microsoft é a nossa principal ferramenta de intermédio gráfico entre os dados e as decisões tomadas pelas empresas na qual trabalhamos.


Sem dúvidas buscar conhecimento sobre ferramentas Business Intelligence e aprofundar as análises dentro das plataformas que você já utiliza é essencial para o desenvolvimento da mentalidade data-driven. Além disso, ela pode se estender para muito além do Marketing e das operações, como algumas empresas já utilizam dos dados para mensurar a produtividade dos seus colaboradores e até fazer processos seletivos mais assertivos.

Mas afinal, qualquer empresa pode ser data-driven?

Quem já nasceu com um propósito tecnológico, como é o caso da maioria das startups, dificilmente não serão empresas orientadas por dados já que vivem imersos nesse meio. Mas a maior dificuldade aqui, não é sobre ser de um setor ou de outro. O ponto mais difícil em se tornar data-driven é a obrigação dos usuários dos dados em fazerem um exercício constante de abstração do próprio ego.


Isso porque facilmente os dados apontarão eventuais erros que foram cometidos ou estão por vir, e claro, caminhos que nem sempre se pensa ser o correto por parte dos tomadores de decisões. No mais, para os que usufruírem desses princípios o mais rápido possível, certamente estarão na linha de frente do seu segmento de atuação em 2020, qualquer que seja ele.

24 visualizações